Qualidade de vida em pessoas diagnosticadas com doença celíaca

uma revisão sistemática

Autores

  • Pedro Igor da Frota Viana do Nascimento Universidade Federal do Ceará
  • Dágila Vasconcelos Rodrigues
  • Jordana Moura de Almeida Universidade Federal do Ceará
  • Maria Suely Alves Costa

DOI:

https://doi.org/10.59483/rfpp.v3n3.93

Palavras-chave:

Doença celíaca, Qualidade de vida, Ansiedade, Depressão, Estresse

Resumo

A Doença Celíaca (DC) é uma doença autoimune, que se manifesta a partir da ingestão de glúten por pessoas que são geneticamente predispostas, intolerantes a ele. Além da genética, fatores imunológicos e ambientais também podem intensificar a manifestação da doença. Este artigo de revisão sistemática analisou a relação entre doença celíaca (DC) e qualidade de vida (QV) de pessoas que convivem com ela, principalmente no que se refere à presença de sintomas de ansiedade, depressão e estresse, devido à alteração da alimentação na rotina e em eventos sociais. Para a revisão sistemática, as buscas foram feitas na Biblioteca Virtual em Saúde (BVS); na Brasil Scientific Electronic Library Online (Scielo); e na PUBMED, utilizando os descritores “Doença celíaca” and “Qualidade de vida”; “Doença celíaca” and “Depressão”; “Doença celíaca” and “Ansiedade”; “Doença celíaca” and “Estresse e qualidade de vida”. O que resultou em 765 artigos submetidos à revisão e aos critérios de inclusão e exclusão, sendo 4 selecionados ao final para a revisão sistemática. De modo geral, foi observado que indivíduos que possuem DC precisam de acompanhamento psíquico durante a vida no que se refere aos sintomas de ansiedade, depressão e estresse, devido às alterações na QV que foram  observadas, pois a alimentação envolve fatores sociais e culturais que são afetados quando há grandes restrições.

Biografia do Autor

Pedro Igor da Frota Viana do Nascimento, Universidade Federal do Ceará

Graduado em Psicologia

Dágila Vasconcelos Rodrigues

Psicóloga, Especialista em Saúde Mental e Redução de Danos (Faculdade de Quixeramobim), Mestranda em Psicologia e Políticas Públicas pela Universidade Federal do Ceará

Jordana Moura de Almeida, Universidade Federal do Ceará

Graduanda em Psicologia

Maria Suely Alves Costa

Psicóloga, Docente do Curso de Psicologia Universidade Federal do Ceará, Doutora em Psicologia Aplicada  pela Universidade do Minho Portugal

Referências

Allen AJ, Leonard H, Swedo SE. Current knowledge of medications for the treatment of childhood anxiety disorders. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry, 1995; 34:976-86.

Clappison E, Hadjivassiliou M, Zis P. Psychiatric Manifestations of Coeliac Disease, a Systematic Review and Meta-Analysis. Nutrients. 2020 Jan 4;12(1):142. doi: 10.3390/nu12010142. PMID: 31947912; PMCID: PMC7019223.

Dantas R, Sawada NO, Malerbo MB. Pesquisa sobre qualidade de vida: Revisão da produção científica das universidades públicas do Estado de São Paulo. Rev. Latino-am. Enfermagem, 2003; 11(4): 532-538.

Estresse. Biblioteca Virtual da Saúde [Internet]. 2012 [Acesso em 6 Mai 23]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/estresse/

Guedes NG, Silva LA, Bessa CC, Santos JC, Silva VM, Lopes MVO. Anxiety and depression: a study of psychoaffective, family-related, and daily-life factors in celiac individuals. Rev Bras Enferm, 2020; 73(Suppl1):e20200086. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2020-0086

Joelson AM, Geller MG, Zylberberg HM, Green PHR, Lebwohl B. The Effect of Depressive Symptoms on the Association between Gluten-Free Diet Adherence and Symptoms in Celiac Disease: Analysis of a Patient Powered Research Network. Nutrients. 2018 Apr 26;10(5):538. doi: 10.3390/nu10050538. PMID: 29701659; PMCID: PMC5986418.

Lobão CARF, Gonçalves RFLL, Monteiro RB, Castro FV. Qualidade de Vida da Pessoa Celíaca Adulta. International Journal of Developmental and Educational Psychology, 2010; v. 1, n. 1, p. 479-485., (Red de Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal – Sistema de Información Científica).

Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. 5. ed. 2014. Porto Alegre: Artmed.

Paula FA, Crucinsky J, Benati R. Fragilidades da atenção à saúde de pessoas celíacas no Sistema Único de Saúde (SUS): a perspectiva do usuário. Demetra, 2014; v. 9, n. 1, p. 311-328.

Pereira NL, Mendes AD, Spanhol FJ, Lunardi GM. Boas práticas em ambientes virtuais de ensino e de aprendizagem: uma revisão de forma sistemática na literatura. Educ rev [Internet]. 2019;35:e214739. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-4698214739

Rocha S, Gandolfi L, Santos JR. Os impactos psicossociais gerados pelo diagnóstico e tratamento da doença celíaca. Rev. Esc. Enferm USP., 2016; v. 50, n. 1, p. 65-70. Acesso em: 20 de Abril de 2022. DIsponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v50n1/pt_0080-6234-reeusp-50-01-0066.pdf

Sdepanian VL, Morais MB, Fagundes-Neto U. Doença celíaca: a evolução dos conhecimentos desde sua centenária descrição original até os dias atuais. Arq Gastroenterol. 1999; 36(4):244-57.

Silva TSG, Furlanetto TW. Diagnóstico de doença celíaca em adultos. Rev. Assoc. Med. Bras, 2010; v. 56, n. 1, p. 122-125

Thompson T, Dennis M, Higgins LA, Lee AR, Shavrett MK. Gluten-free diet survey: are Americans with celiac disease consuming recommended amounts of fibre, iron, calcium and grain foods? J Hum Nutr Diet. 2005; 18:163-9

Downloads

Publicado

27-09-2023

Como Citar

1.
Nascimento PI da FV do, Rodrigues DV, Almeida JM de, Costa MSA. Qualidade de vida em pessoas diagnosticadas com doença celíaca: uma revisão sistemática. RFPP [Internet]. 27º de setembro de 2023 [citado 8º de dezembro de 2023];3(3). Disponível em: https://revista.facpp.edu.br/index.php/rfpp/article/view/93

Edição

Seção

Artigos