Conhecimento do enfermeiro em protocolo sepse na unidade de terapia intensiva

Autores

  • Desyrré Gabrielly Marques Gondim Hospital Dr. Carlos Alberto Studart Gomes
  • Brena Lima Teixeira Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSRH)
  • Carla Monique Lopes Mourão
  • Isabelle Cerqueira Sousa

DOI:

https://doi.org/10.59483/rfpp.v4n2111

Palavras-chave:

Unidade de Terapia Intensiva, Sepse, Assistência Centrada no Paciente, Choque séptico

Resumo

A sepse é uma condição grave definida como disfunção orgânica letal causada por uma resposta desregulada do corpo a uma infecção, representando um problema significativo de saúde pública global devido às altas taxas de morbidade e mortalidade, além de gerar elevados custos hospitalares por exigir longas internações em UTI. A enfermagem desempenha papel crucial no manejo do protocolo clínico de sepse, estando diretamente envolvida no cuidado contínuo ao paciente. Objetivo: investigar o conhecimento dos enfermeiros na identificação precoce de sinais e sintomas no ato da abertura do Protocolo Sepse em uma Unidade de Terapia Intensiva. Materiais e métodos:  natureza descritiva, exploratória e quali-quantitativa, realizado de janeiro a maio de 2022 em Fortaleza, Ceará, utilizando um questionário na plataforma Google Forms que abordou dados sociodemográficos e o conhecimento dos enfermeiros sobre sepse, respeitando os critérios da resolução 466/12. Resultados:  os enfermeiros possuem conhecimento limitado sobre os sinais iniciais de sepse e uma notável falta de autonomia para iniciar protocolos de tratamento da condição. Além disso, muitas instituições públicas de saúde não adotam o protocolo de sepse devidamente. Foi destacada a escassez de programas de educação permanente, crucial para o manejo adequado da antibioticoterapia na sepse. Conclusão: há necessidade de maior conhecimento e autonomia dos enfermeiros no gerenciamento da sepse, além de evidenciar os desafios enfrentados para a implementação efetiva de protocolos, que muitas vezes são interrompidos por fatores como a ausência de protocolos nas instituições e demora no acionamento de serviços necessários.

Biografia do Autor

Desyrré Gabrielly Marques Gondim, Hospital Dr. Carlos Alberto Studart Gomes

Enfermeira do Hospital Dr. Carlos Alberto Studart Gomes

Brena Lima Teixeira, Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSRH)

Enfermeira especialista em Urgência e Emergência-EBSERH

Carla Monique Lopes Mourão

Doutora em Enfermagem.

Isabelle Cerqueira Sousa

Doutora em Saúde Coletiva.

Referências

Zonta FNS, Velasquez PGA, Velasquez LG, Demetrio LS, Miranda D, Silva MCBD. Características epidemiológicas e clínicas da sepse em um hospital público do Paraná. Rev EpidemControleInfecç. 2018.

Belarmino AC, Rodrigues MENG, Anjos SJSB, Ferreira Júnior AR. Collaborative practices from health care teams to face the covid-19 pandemic. Rev Bras Enferm. 2020;73(Suppl 2):e20200470. doi: 10.1590/0034-7167-2020-0470.

Ohland PLS, Jack T, Mast M, et al. Continuous monitoring of physiological data using the patient vital status fusion score in septic critical care patients. Sci Rep. 2024;14:7198. doi: 10.1038/s41598-024-57712-9.

Evans L, Rhodes A, Alhazzani W, Antonelli M, Coopersmith CM, French C, et al. Executive Summary: Surviving Sepsis Campaign: International Guidelines for the Management of Sepsis and Septic Shock 2021. Crit Care Med. 2021 Nov;49(11):1974-82. doi: 10.1097/CCM.0000000000005357.

Teresinha Seibt E, Kuchler JC, Zonta F. Incidência e características da sepse em uma unidade de terapia intensiva de um hospital misto do Paraná. Rev Saude Publica Parana. 2019 Nov 25;2(2):97-106. [citado 2024Jan4].

Nascimento IC, Donini R, Hortelan MS, Geisler SA. Enfermagem e o manejo clínico em pacientes com sepse em UTI COVID: scoping review. RevEnferm Atual In Derme. 2022;96(40):e021323. doi: 10.31011/reaid-2022-v.96-n.40-art.1493.

Noriega Campos E, Milanés Hernández AM. Nursing Professional Performance in the Care of the Septic Surgical Patient. Rev CubanaEnferm [Internet]. 2022 Mar;38(1):e4644. [cited 2024 Apr 15].

Shukla S, Cortez J, Renfro B, Makker K, Timmons C, Nandula PS, et al. Charge Nurses Taking Charge, Challenging the Culture of Culture-Negative Sepsis, and Preventing Central-Line Infections to Reduce NICU Antibiotic Usage. Am J Perinatol. 2022;39(08):861-868. doi: 10.1055/s-0040-1719079.

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2008 Oct-Dec;17(4):758-64.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

Bellaguarda MLR, Queirós PJP. Nurse autonomy expressed in Portuguese and Brazilian professional legislation: a documentary study (1986–2022). RevEscEnferm USP. 2023;57:e20230199. https://doi.org/10.1590/1980-220X-REEUSP-2023-0199en

Gao Y, Wang H liang, Zhang Z jin, et al. A Standardized Step-by-Step Approach for the Diagnosis and Treatment of Sepsis. Journal of Intensive Care Medicine. 2022;37(10):1281-1287. doi:10.1177/0885066622108518

Umemura Y, Abe T, Ogura H, Fujishima S, Kushimoto S, Shiraishi A, et al. (2022) Hour-1 bundle adherence was associated with reduction of in-hospital mortality among patients with sepsis in Japan. PLoS ONE 17(2): e0263936. https://doi.org/ 10.1371/journal.pone.0263936

Liu C-X, Wang X-L, Zhang K, Hao G-Z, Han W-Y, Tian Y-Q, Ge L, Shen L-M. Study on clinical nursing pathway to promote the effective implementation of sepsis bundle in septic shock. Eur J Med Res. 2021; 26: 69.

Carvas JM, Canelas C, Montanha G, Silva C, Esteves F. ImpactofCompliancewith a SepsisResuscitationBundle in a PortugueseEmergencyDepartment. Acta MedPort . 2016 Feb;29(2):88-94. [cited 2024 Apr 19].

Evans L, Rhodes A, Alhazzani W, et al. Surviving sepsis campaign: international guidelines for management of sepsis and septic shock 2021 [published online ahead of print, 2021 Oct 2]. Intensive Care Med. 2021; doi: 10.1007/s00134-021-06506-y

Borguezam CB, Sanches CT, Albaneser SPR, Moraes UR de O, Grion CMC, Kerbauy G. Managed clinical protocol: impact of implementation on sepsis treatment quality indicators. RevBrasEnferm. 2021;74(2):e20200282. doi: 10.1590/0034-7167-2020-0282.

Veras RES; Moreira DP; Silva VD; Rodrigues SE. Avaliação de um protocolo clínico por enfermeiros no tratamento da sepse J. Health BiolSci. 2019;7(3):292- 297.

Silva DF, Brasil MHF, Santos GCV, Guimarães KSL, Oliveira FMRL, Leal NPR, Gomes GLL, Barbosa KTF. Conhecimento de enfermeiros emergencistas acerca do protocolo clínico de sepse. Revenferm UFPE online. 2021 Jan;15(1):1-14.

Downloads

Publicado

25-06-2024

Como Citar

1.
Gondim DGM, Teixeira BL, Mourão CML, Sousa IC. Conhecimento do enfermeiro em protocolo sepse na unidade de terapia intensiva. RFPP [Internet]. 25º de junho de 2024 [citado 13º de julho de 2024];4(2). Disponível em: https://revista.facpp.edu.br/index.php/rfpp/article/view/111

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)